Raiva reprimida

Raiva Reprimida: Uma emoção que adoece

Home » Blog da Psicóloga » Raiva Reprimida: Uma emoção que adoece

Sinais, causas, tratamentos e 8 maneiras de lidar

A raiva reprimida refere-se à raiva que é inconscientemente evitada, negada ou reprimida. Muitas vezes, a raiva reprimida contribui para os sintomas de saúde mental relacionados à ansiedade e à depressão. Se não for tratada, também pode causar tendências de auto sabotagem, baixa autoestima, dores físicas e problemas de relacionamento. A terapia pode ajudar as pessoas a aprender maneiras saudáveis ​​de expressar sua raiva, evitando muitos desses impactos negativos.

Aprender a processar e expressar sentimentos de raiva de maneira saudável pode impactá-lo positivamente de muitas maneiras.

O que é raiva reprimida?

A raiva reprimida é a raiva evitada involuntariamente, muitas vezes como uma tentativa de evitar sentimentos desconfortáveis ​​relacionados ao estresse, conflito e tensão. 

A raiva é uma emoção universal que todos os seres humanos experimentam, geralmente em resposta a situações que são percebidas como perturbadoras, estressantes ou injustas. 

Existem diferentes maneiras pelas quais as pessoas respondem quando estão com raiva e vários métodos de expressar raiva. A repressão da raiva é a raiva que não é expressa, geralmente porque as pessoas querem ignorá-la ou evitá-la, muitas vezes por medo ou vergonha. 

Raiva Reprimida: causas comuns e gatilhos

A raiva reprimida pode ocorrer por vários motivos, mas experiências traumáticas na infância são os culpados mais comuns. Depois de passar por um trauma, muitas pessoas se sentem confusas, tristes ou envergonhadas e se culpam pelo que aconteceu. Por sua vez, isso faz com que eles internalizem a raiva sobre o que aconteceu com eles.  As normas culturais também influenciam como as pessoas aprendem a expressar raiva.

Em alguns casos, você pode não ter se sentido autorizado a sentir ou falar sobre sua raiva quando criança. Por exemplo, se você cresceu em uma família que criticava a expressão emocional, você pode ter internalizado a crença de que não é seguro falar sobre seus sentimentos, fazendo com que você reprima emoções em vez de expressá-las. Em outro exemplo, algumas pessoas que cresceram em uma casa com pais abusivos podem associar a raiva com medo, perigo ou relacionamentos deteriorados.

No entanto, é importante lembrar que não existe uma causa única para esse fenômeno, e muitos fatores genéticos e ambientais podem contribuir para a forma como as pessoas expressam e processam emoções.

  • Ser rejeitado por expressar raiva no passado
  • Ter tendências perfeccionistas ou neuróticas
  • Lutando contra a depressão, ansiedade ou algum outro transtorno emocional.
  • Usar substâncias que alteram o humor, como drogas ou álcool
  • Vivenciando um trauma crônico
  • Certas condições médicas, como lesões cerebrais traumáticas
  • Tendo a tendência de intelectualizar suas emoções
  • Querer agradar os outros
  • Ter inteligência emocional limitada
  • Ter uma posição de autoridade que requer uma personalidade neutra.
  • Ter altos níveis de vergonha
  • Lutando com controle de impulso e regulação emocional

Raiva reprimida: identifique sinais

A raiva reprimida pode se manifestar de várias maneiras, causando mudanças sutis no modo como as pessoas se sentem, pensam e se comportam. Algumas pessoas não percebem essas mudanças até que sua raiva atinja níveis extremos ou eles ataquem alguém. Muitos que reprimem a raiva descrevem a falta de sinais iniciais de raiva, como aumento da frequência cardíaca, aumento da pressão arterial ou sensação de tensão, inquietação ou nervosismo.

As pessoas que reprimem a raiva muitas vezes ficam na defensiva quando são acusadas de estarem com raiva. Eles não querem admitir quando estão frustrados, mesmo quando é muito claro para outras pessoas. Essa atitude defensiva torna mais difícil para eles aceitar e reconhecer sua raiva, tornando-os mais propensos a minimizá-la, ignorá-la ou negá-la.

Sinais de raiva reprimida incluem: 

Nunca apresentam sinais de estarem bravos ou indispostos com alguma situação, mas muitas vezes se sentem tristes ou deprimidos

  • Uso excessivo de sarcasmo ou cinismo
  • Ficar desconfortável com conflitos ou confrontos
  • Uso excessivo de distração ou evitação para lidar com emoções difíceis
  • Ficar na defensiva quando acusado de estar com raiva
  • Sentindo a necessidade de controlar muitas coisas em sua vida
  • Experimentando tensão muscular crônica ou dores de cabeça
  • Sentir-se desconfortável quando outras pessoas compartilham emoções íntimas com você
  • Ser passivo-agressivo ao interagir com outras pessoas
  • Ter dificuldade em estabelecer limites, defender-se ou dizer não
  • Desligar, evitar as pessoas ou isolar-se quando está chateado
  • Tornar-se explosivo quando você se sente com raiva
  • Reclamar quando as coisas não saem do seu jeito
  • Altos níveis de estresse crônico ou ansiedade
  • Pensamentos negativos ou autocríticos frequentes
  • Sentir-se amargo, invejoso ou ressentido com os outros
  • Ignorar as coisas que o incomodam ou aborrecem em vez de abordá-las
  • Guarda rancor e ruminando sobre coisas que te incomodam
  • Sentir-se culpado, envergonhado ou mal quando está com raiva

Efeitos negativos da raiva reprimida

Quando a raiva é reprimida, ela pode se acumular, causando muitos impactos negativos na saúde física e mental de uma pessoa, bem como em sua qualidade de vida e capacidade de funcionamento. A raiva em si não é prejudicial ou ruim, mas sem qualquer saída ou maneira de expressá-la, as pessoas muitas vezes não conseguem simplesmente “deixá-la ir”, especialmente se o gatilho for algo que elas encontram com frequência.

Alguns dos efeitos nocivos da raiva reprimida incluem: 

  • Pressão alta
  • Estresse crônico
  • Problemas cardíacos
  • Insônia
  • Maior risco de doenças crônicas
  • auto-estima baixa
  • Ansiedade, depressão e outras condições de saúde mental
  • Maior risco de vícios
  • Impulsividade e comportamentos autodestrutivos
  • Comunicação menos aberta e honesta
  • Relacionamentos mais pobres
  • Dificuldade de concentração
  • Desempenho de trabalho prejudicado
  • Dormência ou apatia

8 maneiras de lidar com a raiva reprimida

Existem muitas maneiras saudáveis ​​de expressar raiva que permitem que você trabalhe com suas emoções no momento, em vez de reprimi-las e deixá-las crescer. Essas habilidades podem ajudar as pessoas a se tornarem mais assertivas ou capazes de expressar como se sentem, o que pensam e o que precisam, de maneira apropriada. 

A comunicação assertiva fornece uma maneira de expressar a raiva que ainda protege os relacionamentos e os papéis que são importantes para as pessoas. Além de serem mais assertivos, aqueles que reprimem a raiva podem se tornar mais autoconscientes e desenvolver saídas saudáveis ​​para o estresse e a raiva.

Aqui estão oito estratégias para lidar com a raiva reprimida:

1. Entenda de onde vem sua raiva

Como outras emoções, a raiva geralmente é uma reação a algo que está acontecendo em você ou em sua vida e geralmente é um indicador de que há um problema que você precisa resolver. Desta forma, a raiva pode lhe fornecer dados importantes sobre o que está acontecendo dentro de você, o que você quer, o que você precisa e com o que se importa.

Muitas vezes, essa raiva pode fazer você sentir que os outros o odeiam . Depois de entender melhor de onde vêm esses sentimentos dentro de você, sua percepção de como os outros se sentem a seu respeito também pode mudar.

Trabalhe para entender melhor a sua raiva pensando em ocasiões no passado recente em que você ficou com raiva e fazendo a si mesmo as seguintes perguntas:

  • Como você sabia que estava com raiva – o que mudou em seus pensamentos, sentimentos, ações e sensações corporais?
  • O que você acha que desencadeou sua raiva nessa situação?
  • O que nessa situação chateou ou irritou você?
  • Por que isso te incomodava tanto?
  • O que sua raiva estava tentando lhe dizer sobre o que você queria, precisava ou com o que se importava?

2. Observe a raiva em seu corpo

Você ficar mais consciente de sua raiva pode ajudá-lo a identificar alguns dos primeiros sinais de raiva. Um crescente corpo de evidências sugere que armazenamos emoções em nossos corpos, que geralmente é onde as pessoas percebem os primeiros sinais de raiva.  Em situações estressantes, “sintonize-se” com seu corpo e preste atenção nas sensações, tensões e mudanças que você percebe.

Ao aumentar sua percepção dessas respostas, você pode acompanhar melhor suas emoções. Você também pode entender possíveis gatilhos, o que pode ajudá-lo a reconhecer quando está com raiva. Quanto mais cedo você perceber sua raiva, mais fácil será processar a emoção.

Algumas das formas mais comuns pelas quais a raiva aparece no corpo incluem:

  • Aperto no peito
  • Dor muscular
  • Fadiga
  • Aumento dos batimentos cardíacos
  • Dor de estômago
  • Tontura
  • Dor de cabeça ou enxaqueca
  • membros fracos
  • Aumento da pressão arterial
  • Tensão muscular

3. Comece a escrever no diário

O registro no diário pode ajudá-lo a ficar mais sintonizado com seus pensamentos e sentimentos. Também é um ótimo exercício para expressão emocional e que você pode fazer em quase qualquer lugar. As pessoas que reprimem emoções geralmente lutam para estar conscientes de seus pensamentos e sentimentos internos, e o registro no diário ajuda a promover a autoconsciência.

A pesquisa também mostra que o registro no diário pode melhorar seu bem-estar geral e diminuir os sintomas de depressão e ansiedade, que são comuns naqueles que reprimem a raiva. 

Para que esse hábito dê certo, é fundamental estabelecer uma rotina. Tente fazer um diário na mesma hora todos os dias e certifique-se de escrever sobre suas emoções. Algumas pessoas se beneficiam de instruções para ajudá-las a começar, enquanto outras preferem uma abordagem menos estruturada. Seja qual for o certo para você, certifique-se de não pensar demais no que você escreve e pratique apenas escrevendo o que vem à sua mente.

4. Interrompa pensamentos de raiva

Mesmo que você se esforce para identificar a raiva, pode facilmente identificar pensamentos negativos que alimentam sentimentos de raiva.

Por exemplo, você pode pensar que é estúpido, inútil ou desagradável quando comete um erro, ou pode se culpar por isso. Você pode inconscientemente fazer o mesmo com os outros, observando todas as coisas que outra pessoa está fazendo que o incomodam.

Os pensamentos têm um impacto significativo nas emoções. Quanto mais você repetir esses tipos de pensamentos negativos em sua mente, mais irritado e chateado ficará. Da próxima vez que você perceber que está em uma espiral descendente, tente se controlar e imagine pressionar “pausa” em sua mente.

Traga toda a sua atenção para o que você pode ver, ouvir ou sentir agora. Quanto mais focado você estiver no presente, menos será capaz de ruminar sobre pensamentos que alimentam a raiva e outras emoções difíceis.

5. Encontre uma saída física para sua raiva

A raiva é uma emoção de alta energia que pode ser armazenada no corpo, então aprender a usar seu corpo para liberar a raiva pode ajudá-lo a regular suas emoções. Exercício e atividade física ajudam a liberar os hormônios do estresse e a equilibrar a química do cérebro, ajudando você a se sentir mais calmo e relaxado.

Algumas saídas físicas que podem ajudar aliviar as tensões causadas pela raiva incluem:

  • Esportes
  • Fazendo flexões ou abdominais
  • Levantando pesos
  • Exercícios cardiovasculares, como correr, andar de bicicleta ou correr

6. Pratique Meditação

A meditação para raiva envolve o uso da atenção plena para se tornar mais presente e consciente do aqui e agora. A atenção plena é praticada colocando toda a sua atenção em algum aspecto de sua experiência atual. Isso pode incluir sua respiração, sensações em seu corpo, seus arredores ou imersão total no que você está fazendo.

A atenção plena e a meditação ajudam a reduzir o estresse, promover o relaxamento e melhorar o humor, e também podem ajudá-lo a acalmar alguns de seus pensamentos acelerados. Pessoas conscientes têm melhor desempenho cognitivo, melhores níveis de empatia e tomam melhores decisões, mesmo quando estão com raiva ou chateadas. 7

Muitos podem acreditar que precisam se comprometer com uma prática de meditação perfeita, mas a atenção plena pode ser praticada de várias maneiras que não interrompem sua rotina. Para começar, simplesmente feche os olhos, coloque uma mão sobre a barriga e respire fundo. Inspire por cinco contagens e depois solte. Repita esse processo o máximo que puder. Se surgirem pensamentos (e provavelmente surgirão), tente não julgá-los. Em vez disso, reconheça-os pela passagem.

A raiva reprimida às vezes pode surgir por meio de comunicação passiva ou passivo-agressiva, mas as “declarações de eu” ajudam você a se comunicar de forma assertiva. 

8. Sinta seus sentimentos

Muitas pessoas que reprimem emoções como a raiva escapam usando álcool, comida, videogames, compras ou outras distrações. Comprometa-se a experimentar todos os seus sentimentos e a reduzir as distrações e os métodos de fuga. Embora algumas emoções sejam desconfortáveis, estar disposto a senti-las pode trazer inúmeros benefícios.

Primeiro, se você não consegue abandonar o vício, isso pode ser um sinal revelador de uma compulsão ou vício subjacente. Em segundo lugar, você desenvolve mais confiança em sua capacidade de experimentar suas emoções, em vez de evitá-las. Quanto mais confiante você estiver de que pode lidar com emoções difíceis como a raiva, menos controle ela terá sobre você e menos você sentirá a necessidade de reprimi-la.

Tratamento para raiva reprimida

Conscientização é o primeiro passo no processo de fazer qualquer mudança positiva. Depois de identificar que você luta contra a raiva reprimida, buscar o apoio profissional de um conselheiro pode ajudá-lo a descompactar essa emoção complexa, aprender maneiras mais saudáveis ​​de lidar e tornar-se mais confiante em sua capacidade de expressar raiva de maneiras que não sejam destrutivas.

Mudanças de estilo de vida

Além de buscar terapia, implementar um melhor autocuidado e fazer ajustes em sua rotina habitual pode melhorar os sintomas de raiva reprimida.

O autocuidado envolve atividades, habilidades e apoio que ajudam as pessoas a reduzir o estresse e atender às suas necessidades emocionais. Isso inclui atender às suas necessidades básicas, como comer bem e dormir de 7 a 9 horas por noite, além de fazer questão de fazer pausas e desenvolver mais equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Além disso, lembre-se de manter contato com pessoas que se importam com você e com quem você sente que pode se abrir e contar com apoio emocional.

Raiva no relacionamento: aprenda a transformar e fortalecer seu amor

Cansado de brigas e ressentimentos? A raiva pode ser um obstáculo no seu relacionamento, mas não precisa ser uma sentença.

Com a ajuda certa, você pode:

  • Transformar a raiva em comunicação construtiva
  • Construir um relacionamento mais forte e resiliente
  • Desenvolver ferramentas para lidar com conflitos de forma saudável

Escolha o caminho certo para você:

  • Psicoterapia: um espaço para trabalhar suas emoções e compreender a raiz da sua raiva.
  • Curso “Amor Inteligente”: um programa aprofundado sobre a raiva nos relacionamentos, com técnicas e ferramentas para transformar sua comunicação e fortalecer seu amor. Inclui aulas gravadas e duas mentorias com a Psicóloga especialista em Relacionamentos.

Dê o primeiro passo para um relacionamento mais feliz e equilibrado!

Acesse:

Psicóloga Daniela Carneiro
Curso Amor Inteligente – Aprenda lidar com a raiva

Não deixe a raiva apagar a chama do seu amor. Invista em você e na sua relação!

Quando a raiva reprimida começa a afetar negativamente sua saúde física ou mental, seus relacionamentos ou sua qualidade de vida, é recomendável procurar ajuda de um psicólogo. É importante lembrar que você pode se beneficiar da psicoterapia, mesmo que não precise. Não espere até que as coisas fiquem realmente ruins antes de procurar ajuda para sua raiva. Fazer isso pode ser prejudicial à sua saúde física e mental, e encontrar apoio precoce pode evitar esses impactos negativos.

Pensamentos finais

A raiva reprimida é a raiva que as pessoas reprimem, ignoram ou evitam, e muitas vezes é inconsciente. Trabalhar para se tornar mais consciente e sintonizado com as emoções traz muitos benefícios e está associado a ser mais feliz, mais saudável e a ter uma melhor qualidade de vida em geral.

Com a ajuda de um terapeuta, as pessoas podem aprender métodos mais saudáveis ​​de expressar sua raiva, o que é muito melhor do que reprimi-la.

Você é uma pessoa que tem gatilhos de raiva e desconforto em situações e não sabe o que fazer para lidar com a raiva silenciosa? Gostaria de falar em terapia sobre suas dificuldades e receber ajuda para refletir as condições de suas dificuldades?

Eu Daniela posso escutar você em consulta e auxiliá-lo(a) compreender melhor o seu sentimento de raiva. Facilitar o encontro de novas formas de lidar com sua irritabilidade e agressividade latente.

Leia também : Falta de comunicação no casamento, aprenda a superar!

Psicóloga Daniela Carneiro | Atendimentos On-line e em Valinhos/SP

Terapia On-line e Terapia no Consultório em Valinhos

Posts Similares