Afetividade

Afetividade: Como é e como lidar com medo, raiva e culpa?

Lidar com o Medo não é tão fácil, porque é ele que nos mostra quando estamos em perigo e que devemos nos preocupar com algo arriscado. Mas quando o medo se torna estranho, sem razões para senti-lo devemos pensar e refletir sobre ele. As causas de um medo sem um motivo aparente podem ser elencadas e analisadas.

O medo sugere uma insegurança? O medo é relacionado a quais situações específicas? De que maneira ele aparece e de que maneira ele vai embora?

O quê eu devo fazer quando estou com Medo?

Você pode analisar seus pensamentos e fazer algumas perguntas a si mesmo(a):

Você têm medo do quê?

Por qual razão?

Avalie se seu medo tem fundamentos, geralmente alguns tipos de sentimento de medo são sem motivos específicos. Se você tem uma resposta, com por exemplo: medo de morrer, medo de perder uma pessoa, medo de ser rejeitado(a), medo de ficar doente, medo de não dar conta, medo de sair na rua, etc… Veja se isso de fato contribui para sua falta de ânimo, sua motivação para fazer atividades que considera bacana.

Procure se observar e realinhar seus pensamentos, mude a perspectiva daquilo que considera uma verdade. Você cultiva pensamentos negativos e pessimistas? Reconsidere suas verdades que te geram angústia e medo.

A mudança de comportamento depende da forma como você costuma ditar suas próprias regras da vida. Se permita mudar o prisma e encontrar novas respostas para as antigas questões.

O quê eu devo fazer quando estou me sentindo Culpado(a)?

Para Freud, o sentimento de culpa está relacionado ao ato de fazer algo que se reconhece como “mal” e ele mesmo reconhece o quão pouco essa resposta revela verdadeiramente sua origem. Sim, porque a questão que se coloca de imediato é: o que é o mal e como o reconhecer? E, para complicar mais, sabe-se que não é o fato de ser mal que faz algo ser indesejado.

O mal pode até ser prazeroso e sabe-se da possibilidade da existência de uma influência da perda do amor e da proteção na elaboração do que é bem ou mal. A perda do amor e da proteção é um mal e, por isso, deve ser evitada. Seria, portanto, para Freud o início da consciência de culpa cuja consequência seria a ação do supereu sobre o eu, atormentando-o e punindo-o.

Ao perceber que o sentimento de culpa se torna um protagonista importante entrar em contato com ele e não fugir. De algum modo ele é um indicio de suas próprias contradições e conflitos internos. Na psicoterapia, com ajuda do psicólogo a pessoa tem oportunidade de falar sobre a culpa e de como ela se manifesta. Isso é de grande valor para um trabalho mais profundo. Buscar as raízes de dores e medos não superados ou a dominação da raiva.

Afetividade

Afetividade é o atributo psíquico que dá o valor e representa a realidade. Essa Afetividade também é capaz de Representar um ambiente cheio de gente como se fosse ameaçador, é capaz de nos fazer imaginar que pode existir uma cobra dentro do quarto ou ainda, é capaz de produzir pânico ao nos fazer imaginar que podemos morrer de repente.

A Afetividade valoriza tudo em nossa vida, tudo aquilo que está fora de nós, como os fatos e acontecimentos, bem como aquilo que está dentro de nós (causas subjetivas), como nossos medos, nossos conflitos, nossos anseios, etc. A Afetividade valoriza também os fatos e acontecimentos de nosso passado e nossas perspectivas futuras.

O melhor exemplo que podemos referir para entender a Afetividade é compará-la à óculos através dos quais vemos o mundo. São esses hipotéticos óculos que nos fazem enxergar nossa realidade desse ou daquele jeito. Se esses óculos não estiverem certos podemos enxergar as coisas maiores ou menores do que são, mais coloridas ou mais cinzentas, mais distorcidas ou fora de foco. Tratar da Afetividade significa regular os óculos através dos quais vemos nosso mundo.

Porque uma pessoa portadora de Transtorno do Pânico pensa que pode morrer ou passar mal de repente?

Porque ela acha que sofre do coração, ou está prestes a ter algum derrame, ou que está tão descontrolada ao ponto de perder o controle. Ora, nada disso faz parte da realidade objetiva e concreta.

Sentimentos de medo, raiva e culpa são comuns nas pessoas, mas quando se tornam excessivos pode causar muitos problemas. Para você entender mais como é lidar com estes sentimentos pode buscar ajuda de um psicólogo, ele conduzirá você até as razões e significados destes sentimentos afetivos.

Trata-se de um juízo pessimista, uma avaliação negativa que a pessoa faz de si mesma, ou seja, trata-se de uma Afetividade que representa negativamente para a própria pessoa o seu próprio eu. Se a pessoa está se vendo pior do que é de fato, então afetivamente não está bem.

A Depressão típica, por sua vez, também faz com que a pessoa se sinta e se ache pior do que realmente é.

Isso produz insegurança e rebaixa a auto-estima.

Novamente aqui a Afetividade representa negativamente a pessoa para si mesma. A avaliação negativa de si mesmo, achar que a vida não vale a pena, que a realidade é sofrível, sentir medo exagerado, achar-se doente e toda sorte de pensamentos ruins resultam do Afeto alterado.

allone GJ – Afetividade – in. PsiqWeb, Internet

Afetividade: Como é e como lidar com medo, raiva e culpa? 1

Prezados leitores,

Ao compartilhar meu conhecimento sobre A afetividade e como é e como lidar com medo, raiva e culpa, percebo o quão complexo esse tema pode ser e o impacto que essa emoção intensa pode ter em nossa vida afetiva. É por isso que desejo oferecer a vocês uma oportunidade única e personalizada para explorarmos juntos esse assunto.

Sou psicóloga especializada em relacionamentos amorosos, compreendo profundamente os desafios emocionais que podem surgir quando lidamos com a raiva o medo e a culpa em nossos relacionamentos mais íntimos.

Cada pessoa e cada relação são únicas, e é importante buscar um espaço seguro para discutir essas questões de maneira individualizada ou de casal.

Convido vocês a agendarem uma consulta comigo, onde poderemos aprofundar as discussões sobre estes sentimentos e explorar caminhos saudáveis para lidar com essa emoção de forma construtiva.

Durante nossas sessões, iremos trabalhar juntos para identificar os gatilhos do medo, raiva e culpa, compreender suas origens e encontrar estratégias práticas para comunicar suas emoções e resolver conflitos de maneira saudável.

Nossa parceria terapêutica será um espaço acolhedor e confidencial, no qual você poderá expressar suas preocupações, medos e frustrações sem julgamento.

Juntos, vamos desenvolver habilidades de autocontrole emocional, fortalecer a comunicação e promover a compreensão mútua, essenciais para construir relacionamentos mais harmoniosos e satisfatórios.

Se você está passando por dificuldades em seus relacionamentos, se sente sobrecarregado pela raiva ou simplesmente deseja aprimorar sua capacidade de lidar com as emoções no contexto amoroso, estou aqui para apoiá-lo nesse processo de transformação.

Agendar uma consulta é simples. Entre em contato pelo botão de whatsapp do site. Ficarei feliz em agendar um horário que seja conveniente para você.

Lembre-se de que é preciso coragem para buscar ajuda e investir no seu bem-estar emocional e no crescimento do seu relacionamento. Estou ansiosa para trabalhar com você e ajudá-lo a desenvolver as habilidades necessárias para lidar com a raiva e construir um relacionamento mais saudável e satisfatório.

Atenciosamente,

Daniela Carneiro, Psicóloga Especializada em Relacionamentos.

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *