Como enfrentar problemas nos relacionamentos

Neste texto você irá encontrar ajuda para a solução de problemas nos relacionamentos.  Acredito que muitas pessoas tem dúvidas em como resolver os conflitos, desde algo simples até algo mais complicado do dia a dia.

As pessoas são diferentes!  Parece óbvio mais vale sempre lembrar. Porque dependendo da necessidade de cada um por afeto, atenção e amor os limites podem ficar vagos e a fantasia de que o outro será ou deve ser como nós acaba dominando o relacionamento.

Assim como os dedos da mão não são iguais, várias pessoas reunidas também são diferentes, seja na forma de pensar ou agir. Na maioria dos relacionamentos é quase inevitável que ocorram conflitos.  Para conduzir corretamente um conflito e ainda sair com o relacionamento fortalecido, sugiro que siga os seguintes passos…

Como a maioria dos relacionamentos interpessoais, a maioria dos casais românticos experimenta algum desafio em algum ponto do relacionamento. Alguns desses desafios comuns podem incluir infidelidade, perda de intimidade, dificuldades de comunicação, lidar com desafios de estresse, pressões financeiras, violações de limites, dificuldade de equilibrar as expectativas individuais e do casal, divórcio, separação e separação. Qualquer que seja o desafio, é importante observar que todos os relacionamentos diádicos passarão por algum tipo de angústia em algum ponto. Examinaremos alguns dos desafios mais comuns do relacionamento romântico a seguir.

Infidelidade

A infidelidade está se tornando cada vez mais um dos desafios de relacionamento mais comuns em relacionamentos românticos. Os atos de infidelidade ou trapaça podem ter consequências devastadoras para os envolvidos. Ter sido traído pode resultar em angústia, depressão, fúria e humilhação (Brand, Markey, Mills & Hodges, 2007). Foi sugerido que a infidelidade é uma das principais causas de divórcio e rompimento de relacionamento romântico (Brand, Markey, Mills & Hodges, 2007).

Geralmente, a infidelidade é uma violação da confiança por um ou ambos os membros de um relacionamento romântico monogâmico que envolve um terceiro indivíduo, com o qual um dos membros mantém um relacionamento impróprio. Zola (2007) define a infidelidade como um ato de traição emocional e / ou física caracterizada por comportamento não aprovado pelo outro parceiro e que tem contribuído para considerável sofrimento contínuo no parceiro não agressor. A infidelidade pode ser na forma de um caso emocional, um caso sexual ou uma combinação de ambos. Tradicionalmente, os homens são considerados interessados ​​principalmente na infidelidade sexual e as mulheres são consideradas interessadas principalmente na infidelidade emocional (Zola, 2007).

Zola (2007) sugere que sempre houve uma maior necessidade emocional ou vínculo quando se trata de mulheres e casos, enquanto os homens tendem a ter um caso principalmente por sexo. Uma das razões apresentadas para a preferência das mulheres por questões emocionais é a “troca de companheiro”. Isso se refere à busca de encontrar um parceiro sem abrir mão da segurança derivada do parceiro atual (Brand, Markey, Mills & Hodges, 2007). As taxas de prevalência de infidelidade variam de acordo com o sexo, sendo os incidentes femininos de 10% a 15% mais baixos do que os de seus homólogos masculinos (Zola, 2007).

Ao resolver este assunto, as mulheres têm maior probabilidade de perdoar uma infidelidade sexual, enquanto os homens acham mais difícil perdoar (Zola, 2007). Em apoio a esse argumento, Long e Young (2007) sugerem que os homens aprovam mais os casos por motivos sexuais, enquanto as mulheres aprovam mais os casos de justificativa emocional. Não é incomum que casais que vivenciaram a infidelidade em seus relacionamentos enfrentem desafios em suas tentativas de resolver os problemas relacionais a ela associados. Como tal, a infidelidade é considerada uma das questões mais desafiadoras para tratar na terapia de casal (Zola, 2007; Brand, Markey, Mills & Hodges, 2007).

Intimidade

A palavra intimidade adquiriu conotações sexuais. Mas é muito mais do que isso. Inclui todas as diferentes dimensões de nossas vidas. Envolve os aspectos físicos, sociais, emocionais, mentais e espirituais, bem como os componentes sexuais que podem aumentar os sentimentos de união entre o casal romântico (Larson, Hammond & Harper, 1998). De acordo com a teoria do amor de Sternberg, a intimidade inclui vínculos emocionais e sentimentos de conexão. Sternberg sugere que a intimidade se desenvolve durante o curso do relacionamento e geralmente inclui decisões de lealdade ao relacionamento (Long & Young, 2007).

A intimidade também foi conceituada como um senso de autorrevelação, compartilhamento de si mesmo e sentimento de proximidade com o parceiro. A intimidade é mantida pelo envolvimento em uma conversa íntima (Brunell, Pilkington & Webster, 2007; Kirby, Baucom & Peterman, 2005) e é considerada uma parte importante dos relacionamentos românticos. É também um fator importante para o bem-estar psicológico e está ligado a relacionamentos positivos e satisfatórios (Brunell, Pilkington & Webster, 2007; Long & Young, 2007).

É justo presumir que a qualidade do relacionamento romântico muitas vezes será julgada pela frequência das interações íntimas percebidas por cada indivíduo. São essas expectativas de intimidade não atendidas que muitas vezes podem afetar negativamente o relacionamento e representar desafios para o casal (Kirby, Baucom & Peterman, 2005). Os terapeutas que lidam com a perda de intimidade em relacionamentos românticos devem ajudar os clientes a desenvolver confiança e habilidades de comunicação que podem ajudar a superar as barreiras à intimidade.

Conflito

O conflito faz parte de qualquer relacionamento interpessoal e ocorre como resultado de diferenças de opinião. As pessoas diferem em valores, sonhos, desejos e percepções. Portanto, todos nós estamos fadados a encontrar conflitos em algum momento de nossas vidas (Long & Young, 2007). O conflito pode variar de desacordos leves menos sérios a discussões mais intensamente acaloradas. Pesquisas anteriores descobriram que o conflito conjugal geralmente se origina de necessidades, vontades e desejos não atendidos. Nessa perspectiva, o conflito conjugal é definido como um processo de interação no qual um ou ambos os parceiros sentem desconforto sobre algum aspecto de seu relacionamento e tentam resolvê-lo de alguma forma (Hamamci, 2005).

Quando uma pessoa precisa ou deseja muito algo, e a outra pessoa não quer ou é incapaz de atender a essa necessidade, o ressentimento geralmente aumenta. Então, se alguém fosse adicionar o poder de uma língua indisciplinada, a situação geralmente se tornaria madura para formas muito destrutivas de conflito. Olhando para isso de forma pragmática, o conflito de relacionamento amoroso muitas vezes acontece quando um membro do casal percebe a injustiça ou experimenta um desequilíbrio nas recompensas ou benefícios de estar no relacionamento, pelo que é percebido por um membro do casal que o outro só se importa / suas necessidades individuais (Long & Young, 2007).

As consequências negativas do conflito provavelmente são familiares a todos nós. O conflito pode causar dor psicológica que se manifesta em retraimento e distância, depressão, ansiedade e / ou agressão. Não só entre o casal, mas também com aqueles que vivem ao seu redor (Choi, 2008). No entanto, também existem resultados construtivos para o conflito em relacionamentos românticos. Por exemplo, as pessoas que continuam a se relacionar apesar de seus conflitos podem desenvolver maior confiança e segurança umas nas outras e se tornar mais aptas em sua capacidade de resolver seus problemas (Johnson, 2007). No entanto, conflitos recorrentes costumam ser um sintoma de um problema no relacionamento amoroso e, portanto, devem ser tratados intencionalmente pelo casal. O papel do conselheiro, ao lidar com casais que estão passando por conflitos,

Comunicação

Um bom relacionamento romântico saudável costuma ser caracterizado por uma boa comunicação. Casais saudáveis ​​falam abertamente e diretamente com pistas não-verbais congruentes, permitindo-lhes transmitir a mensagem pretendida com precisão. A comunicação nos relacionamentos românticos conecta e tranquiliza os parceiros e permite que eles discutam e resolvam problemas e compartilhem informações e pontos de vista importantes (Long & Young, 2007). Os desafios ocorrem quando as mensagens que enviamos aos outros são mal compreendidas ou mal interpretadas.

Não é incomum quando um casal tem problemas em seu relacionamento, a comunicação é interrompida (Long & Young, 2007). Uma comunicação saudável, produtiva e eficaz é vista como a ferramenta de ligação para qualquer relacionamento amoroso. Problemas e desafios nos relacionamentos íntimos são freqüentemente resolvidos através do desenvolvimento de uma comunicação saudável, produtiva e eficaz. Portanto, o objetivo de aprimorar as habilidades de comunicação pode ser um ótimo ponto de partida para o terapeuta de casal.

Problemas Sexuais

A intimidade sexual é um dos fatores mais importantes nos relacionamentos românticos. É um dos fatores que diferenciam um relacionamento amoroso de qualquer outro relacionamento interpessoal. Problemas sexuais, como todos os outros problemas em relacionamentos românticos, geralmente se desenvolvem como resultado de um desequilíbrio nos estilos de amor do parceiro (Long & Young, 2007). Nos estágios iniciais do relacionamento, é comum que os casais experimentem intensos sentimentos de amor, afeto e um forte desejo um pelo outro. À medida que o relacionamento cresce, fatores externos como filhos e agendas lotadas podem começar a ter um impacto na intimidade sexual do casal, muitas vezes resultando em frustrações experimentadas por pelo menos um dos membros do relacionamento. À medida que as frustrações se desenvolvem com o tempo, os problemas podem começar a surgir.

Às vezes, os desafios sexuais podem ocorrer como resultado de disfunção sexual. As disfunções sexuais são caracterizadas por distúrbios psicossociais no desejo sexual resultando em sofrimento e dificuldade interpessoal (APA, 2000). De acordo com o DSM-IV-TR, alguns dos transtornos comuns da disfunção sexual incluem transtorno do desejo sexual, transtorno da excitação sexual e transtornos orgásticos. É crucial para o terapeuta diferenciar problemas sexuais de disfunções sexuais para determinar o encaminhamento apropriado quando necessário. Se problemas sexuais forem um problema, o terapeuta pode ajudar os clientes a explorar opções para alcançar intimidade emocional e sexual em seus relacionamentos.

Abuso de Substâncias

Embora o abuso de substâncias, principalmente o álcool, tenha sido associado a problemas financeiros e de saúde que contribuem para a angústia relacional, muitas pessoas o usam como forma de lidar com os problemas nos relacionamentos. A primeira questão, é claro, é dinheiro. O álcool é caro. Gastar muito dinheiro todos os dias em bebidas alcoólicas é um problema sério que pode colocar uma grande tensão nos relacionamentos. O álcool também pode fazer com que as pessoas se tornem menos sensíveis aos sentimentos dos outros. O álcool pode dificultar a distinção entre as emoções da outra pessoa e, portanto, elas podem fazer julgamentos incorretos que afetam negativamente seu relacionamento com o parceiro (Sharf, 2001).

O tempo também é um problema. Beber não é um tipo de atividade “feita uma vez”. O dia pode levar horas, horas que poderiam ter sido passadas a dois. A imposição de tempo para o casal devido ao consumo excessivo de álcool pode fazer com que os parceiros se afastem emocionalmente, muitas vezes resultando em problemas no relacionamento diádico. Por causa desses e de outros fatores, o abuso de álcool foi apontado como um fator que contribui para o divórcio, abuso físico e diminuição da satisfação conjugal (Long & Young, 2007).

Divórcio e separação

As taxas de divórcio estão aumentando a uma taxa alarmante. Na Austrália, 40% dos casamentos terminam em divórcio enquanto, como nos EUA, 50% dos casamentos terminam em divórcio ( www.divorcerates.org ). Para relacionamentos românticos que experimentam continuamente alto sofrimento, baixa satisfação e baixa qualidade de relacionamento, em algum momento um dos parceiros ou ambos chegam à decisão de encerrar ou encerrar o relacionamento, se tais desafios não forem resolvidos. De acordo com as ideias derivadas da teoria da troca social, o término de casamentos e relacionamentos amorosos geralmente ocorre como resultado de custos que excedem as recompensas. Se o indivíduo perceber que não está recebendo mais do que investiu no relacionamento, isso pode levar à insatisfação com o relacionamento (Amato & Hohmann-Marriott, 2007).

O divórcio e a separação podem ser uma experiência difícil e dolorosa para muitos. O término de um relacionamento ou divórcio pode afetar o indivíduo financeiramente, socialmente, emocionalmente e psicologicamente (Long & Young, 2007). Sentimentos de depressão, ansiedade e outros transtornos psiquiátricos são frequentemente experimentados durante esse período (Williams & Dunee-Bryant, 2006). O papel do terapeuta é ajudar os clientes durante essa transição de mudança de vida.

Enfrentar os problemas da relação

Algumas dicas para você aplicar no dia a dia de seus relacionamentos

1 – Reúna as pessoas envolvidas no conflito: sem que estejam todos os envolvidos juntos, é quase certo que não se chegará à melhor solução.

 2- Exponha todos os fatos: não confie em boatos ou impressões precipitadas, pois isso poderá fomentar contra-ataques ressentidos.

3- Escolha a hora certa para repreender: seguramente não será aquela em que você tem a vontade de estrangular a outra pessoa. É prudente que esteja mais calmo, a fim de que possa contribuir com o problema e não prejudica-lo.

 4- Ouça com atenção o que a outra pessoa tem a dizer: ou seja, dê a chance a quem ofende de se explicar o que aconteceu e porque agiu daquela maneira. Às vezes uma palavra pode mudar o panorama.

5- Obtenha informações suficientes do problema: quanto mais informação tiver acerca do problema, tais como o erro cometido, quando isso aconteceu e quem estava envolvido. Seguramente você estará mais tranquilo quanto a sua decisão.

6- Evite alimentar rancor: após feita a correção, não hostilize a outra pessoa. Mostre que o problema foi resolvido.

Como se Relacionar com Pessoas Difíceis

Agendar sua consulta com a Psicóloga