“Meu coração bate sem saber que meu peito é uma porta que ninguém vai atender”.
Arnaldo Antunes

Muitas pessoas buscam mudanças em seus comportamentos e muitas vezes se veem em um beco sem saída.

Existem dificuldades inerentes ao ser humano que podem dificultar que ache um caminho pleno de transformações.

As dificuldades já referentes a uma condição já condizente a sua própria natureza, afinal ninguém nasce perfeito e acabado. O nascer já implica em uma grande mudança para aquele serzinho que vem ao mundo.

Já iniciamos com uma característica: Ansiosos por algo que nos dê aconchego, nos dê prazer ou nos proteja, perdemos o aconchego do útero, perda do conforto e comodidade. Viver implica em fazer escolhas, perdas e ganhos. Não existem somente perdas ou somente ganhos. Estamos em uma eterna procura por algo.

Pare e pense: o que tem buscado ultimamente na sua vida? Qual a razão pela qual faz isto? Sabe aonde quer chegar e para quê precisa disto?

Na clínica vejo o quanto às pessoas são únicas, diferentes e parecidas ao mesmo tempo. Ninguém corre sozinho rumo ao seu objetivo, corremos juntos. O que pode acontecer é que uns não enxergam ou não querem enxergar, outros são míopes, outros veem aquilo que interessa, outros enxergam suas sombras nos outros, alguns olham para trás, outros somente para frente, existem também aqueles que sabem o que querem ver e se permitem observar, ver que suas sombras podem nos outros estarem, mas que na verdade são suas.

Analise esta palavra: “Querer”, poxa vida!!! Querer é mágico… É o “desejo”, é princípio ou precipício de tudo, não é?

Precisa do outro para se ver e se olhar melhor? Ou viver sozinho é a melhor opção, é melhor do que ver-se no outro e isto te confundir tanto: a ponte para o outro lado do rio é de cetim. Olhe, veja, enxergue aquilo que quer ver ou pouco interessado, invente métodos para não ver, olhe só para frente, só para trás, só para você, para sombras, fique míope. É fácil recuar… Parar nesta estrada da vida. Arriscar a olhar é querer, é desejar, é arriscar tudo para obter apenas uma parte e perder outra. Afinal é assim que nossa vida ensina todos os dias, não é?

Aprender, a saber, o que quer e fazer algo bom com isto sem medo requer conciliação, resiliência e sabedoria. Não pare na sua estrada!

Psicóloga Daniela Carneiro