Projetos de Psicologia

Projeto: supere o medo de dirigir

Atualmente, dirigir um veículo é uma necessidade cada vez maior nas grandes cidades. A necessidade de ir e vir, a correria do dia a dia, o deslocamento mais rápido de um local para o outro, se tornam fundamentais. Assim, a cada dia mais pessoas tornam-se habilitadas a dirigir, mas uma enorme parcela, apesar de habilitadas, não consegue superar o medo de dirigir.
O que faz uma pessoa ter medo a ponto de não conseguir dirigir? Que medo é este?
O medo tem papel fundamental na adaptação humana, mas alguns tipos de medo são excessivos para as situações desencadeantes e estes são chamados de fobias. A fobia é uma espécie particular de medo. Origem do Grego “Phobia” = Pânico, terror.
Assim, o medo de dirigir se torna uma fobia especifica.

O que é Fobia?

Fobia é vista como uma forma especial de medo; ela apresenta as seguintes características:

1) desproporção entre a emoção e a situação que a provoca;

2) medo sem explicação razoável;

3) ausência de controle voluntário;

4) tendência à evitação dessa situação.

É um medo acentuado e persistente, excessivo ou sem razão, que se revela pela presença ou antecipação de um objeto ou situação fóbica. Exemplos:Voar, dirigir, alturas, animais, ver sangue, tempestades, elevador e locais fechados. Este medo provoca um comportamento de esquiva, ou seja, de evitação de tais objetos ou situações. Mesmo a pessoa reconhecendo não ser está uma atitude racional. A exposição ao estímulo fóbico, provoca uma resposta imediata de ansiedade, pode provocar sintomas físicos como palpitações, tontura, sudorese, tremores; comportamentais: esquiva, fuga ou congelamento; e subjetivos: emoções como medo, raiva, depressão, e pensamentos catastróficos do tipo: “vou sofrer um acidente”, “vou perder o controle” ou “vou enlouquecer” . O indivíduo concentra suas preocupações nos sintomas físicos e em tais pensamentos, o que aumenta ainda mais a apreensão e a ansiedade. Secundariamente ocorrem perdas de confiança, diminuição da auto-estima e dependência em relação a outras pessoas. Provocando um enorme sofrimento. A evitação, ansiedade antecipatória ou sofrimento na situação temida interfere na rotina normal da pessoa e em suas atividades ou relacionamentos sociais. A prática clínica tem verificado que a origem de tais distúrbios é uma somatória de fatores genéticos, histórico-pessoais e da cultura onde o cliente se desenvolveu.

Procedimento:

O trabalho será desenvolvido em grupo operativo com no máximo 8 pessoas ou individualmente de necessário. Muito do aprendizado social é feito em grupos, portanto, o trabalho grupal fornece um contexto pertinente para a prática deste enfrentamento do medo de dirigir. Pessoas com necessidades semelhantes podem apoiar-se mutuamente e sugerir soluções para problemas comuns, ajudando umas às outras. Percebemos o grupo como um ótimo agente de mudanças. O grupo é fechado, são doze encontros semanais. O encontro dura em média 1h.Tem como objetivo a redução da ansiedade e o controle das reações bloqueadoras do medo de dirigir.

Terapia Cognitivo Comportamental

A Terapia Cognitivo Comportamental utiliza diferentes estratégias para tratar tanto a evitação fóbica, o controle dos sintomas fisiológicos, correção das disfunções cognitivas associadas, e recuperação dos déficits pra dirigir aut omotores por conseqüência da fobia.

Foco e objetivo

Técnica

Esquiva fóbica
Exposição gradual.

Sintomas fisiológicos
Relaxamento, alongamento e controle de respiração.

Cognições disfuncionais
Reestruturação cognitiva.

Déficits nas habilidades para dirigir
Incentivar o treino das habilidades para dirigir .
(independência, autonomia).

Através da realização de Grupos Operativos com o foco no ato de dirigir, utilizando-se dos recursos da psicologia cognitiva